Propinas da Universidade do Algarve não sobem por causa da crise…

O Conselho Geral da Universidade do Algarve aprovou a proposta de um aluno para a manutenção da propina nos 900€. Proposta do reitor foi chumbada.

As propinas dos cursos de 1.º ciclo da Universidade do Algarve vão manter-se nos 900 euros no ano lectivo de 2009/10, depois de o Conselho Geral da instituição ter chumbado, num primeiro momento, a proposta de aumento apresentada pelo reitor demissionário João Guerreiro e, na passada segunda-feira, ter aprovado uma proposta apresentada por Joaquim Costa, um dos representantes dos alunos neste órgão.

Na penúltima reunião do Conselho Geral da UALg, que decorreu em Junho, a proposta de aumento das propinas para 930 euros, apresentada por João Guerreiro, não obteve os votos necessários para passar. Os estatutos da UALg, que foram revistos em 2008, determinam que qualquer mexida no valor da propina terá de ser aprovada por dois terços dos 35 elementos que compõem o órgão de gestão estratégica da Universidade algarvia.

O mesmo não aconteceu com aproposta apresentada pelo aluno Joaquim Costa, que proponha a manutenção da propina no valor actual. A larga maioria dos membros do Conselho Geral foi sensível aos argumentos deste aluno, que se centraram em grande medida na crise financeira.

«Estamos numa altura de crise e o Algarve é a região do país onde o custo de vida subiu mais e onde a taxa de desemprego é maior. Tendo em linha de conta que a maioria dos alunos são do Algarve, não fazia sentido aumentar», considerou Joaquim Costa, em declarações ao «barlavento».

Este aluno que se tem destacado pelo seu dinamismo e posições fortes, considerou que «seria de esperar que a universidade tivesse consciência social», evitando onerar mais o orçamento das famílias.

João Guerreiro já havia anunciado publicamente, por diversas vezes que, a haver um aumento das propinas, este seria apenas uma actualização ao valor da inflação. Mas, assegurou Joaquim Costa, o valor de 930 euros é «superior em 6,6 euros a uma actualização com o valor da inflação, para cada aluno».

Outra questão que suscitou dúvidas entre os membros do Conselho Geral da UALg foi o destino a dar ao dinheiro pago pelos alunos. «A lei estipula que este dinheiro só pode ser utilizado na melhoria da qualidade de ensino», lembrou o aluno da UALg.

Mas a propina «tem sido utilizada para outros fins» o que é «inadmissível», disse Joaquim Costa. O problema da Universidade do Algarve não é a falta de receitas, porque as tem, mas sim os custos elevados da estrutura», considerou.

Esta é a primeira vez que o valor da propina da UALg se mantém desde que foi fixada uma propina mínima durante o Governo de António Guterres. Ao longo dos anos, a taxa de frequência que os alunos são obrigados a pagar sofreu, no mínimo, aumentos no valor da inflação.

O «barlavento» tentou obter uma reacção de João Guerreiro sobre o chumbo da sua proposta, mas não conseguiu fazê-lo antes do fecho desta edição.

Hugo Rodrigues | barlavento.hugo@mail.telepac.pt

Consultar:

Anúncios

A sua opinião tem importância!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s